Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

16 de jun de 2012

Declaração do movimento de Economia Social e Solidária à Rio +20


A economia que precisamos
Declaração do movimento de Economia Social e Solidária à Rio +20
Esta declaração foi elaborada pelo Conselho de Administração da Rede Intercontinental de Promoção da Economia Social e Solidária (RIPESS), reunido  no Rio de Janeiro, tomando como base as discussões e deliberações sobre a Rio+20 do V Encontro Latinoamericano e Caribeño de Economía Solidária e Comércio Justo e com aportes de representantes dos demais continentes.

Se estiver de acordo com os conteúdos desta declaração, agradecemos que a divulguem e a assinem antes do final do dia 18 de junho na seguinte página web: http://www.ripess.org/declaration-ripess-rio20

  
           
A Cúpula dos Povos e a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável da Rio +20 acontecem em um momento de crise da civilização que se expressa em uma multitude de crises: alimentar, ecológica, energética, financeira, social e de representação política, e não é com esse mesmo pensamento e o mesmo modelo de sociedade que gerou estas crises que se sairão delas!
A pretendida economia verde, tal como é apresentada pelos governos e as multinacionais, é só uma extensão deste modelo, através da mercantilização dos bens comuns como nova forma de expansão do capitalismo em crise, enquanto a economia solidária permite emancipar-se dele.
Em todos os continentes, nas comunidades, regiões e países existem iniciativas econômicas e sociais em muitos setores de atividades que demonstram a viabilidade concreta e viva de outros modelos de desenvolvimento, de organização da economia e das sociedades onde a vida, a pluralidade, a autogestão, a justiça ambiental e social definem uma economia solidária diferenciada da economia do capital. A economia solidaria é um movimento social que, com outros, contribui para consolidar uma verdadeira democracia econômica e política.
A criação da Agencia Internacional Ambiental proposta pela PNUMA não poderá resolver os desafios da governança mundial. É imperativo que as ferramentas e as instituições de governança sejam transformadas para basear-se estruturalmente em processos contínuos de consulta e de participação de todos os setores da sociedade, a nível local, regional e internacional, e que estas não estejam dominadas pelos maiores contribuintes financeiros e geridas por “especialistas”. É necessário o respeito e o reconhecimento da soberania dos povos e das comunidades, que são aqueles que tem a legitimidades e a capacidade de levar a cabo um desenvolvimento solidário que assegure a preservação dos bens comuns.
A economia solidária constrói modelos de produção e de serviços com e para todas e todos. Estas iniciativas não podem ser consideradas como simples “programas de reparação e de luta contra a pobreza”. Pelo contrário, elas garantem intrinsecamente a justiça em todas as suas dimensões, enquanto desenvolvem atividades econômicas, sem gerar concentração de riquezas materiais ou financeiras, nem criação de pobreza. A economia solidária estabelece sistemas equitativos de comercialização, de finanças e de moedas sociais ao serviço das economias reais, circuitos curtos entre produtores e consumidores, soberania alimentar, entre outras alternativas concretas.
O movimento da economia solidária, com outros movimentos de transformação da sociedade, encarna um projeto verdadeiramente democrático, de respeito dos direitos das mulheres e dos homens, do trabalho, dos direitos cívicos, da diversidade de culturas e dos direitos da natureza para o bem viver das populações.
Rio +20 só responderá aos desafios impostos se os governos participantes se orientarem ao que o povo está construindo como uma verdadeira alternativa para o futuro da humanidade sobre a Terra.
Rio de Janeiro, junho de 2012

Nenhum comentário: