Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

31 de mar de 2013

Manguezais são reconhecidos como aliados contra o aquecimento global


No sobe e desce das marés, onde o rio encontra o mar, nasce o manguezal, um dos ecossistemas mais produtivos e generosos da Terra.


Jornal Nacional
Edição do dia 28/03/2013
28/03/2013 21h30 - Atualizado em 30/03/2013 16h55


Um ambiente que soube se adaptar a condições extremas: árvores que aguentam a água salgada e equilibram as raízes na lama trazida pelos rios. Características únicas que são estudadas há décadas no manguezal de Cananéia, litoral sul de São Paulo, por pesquisadores como a bióloga Marília Cunha-Lignon.
“O monitoramento dá para a gente a saúde do manguezal, por exemplo, aqui a gente tem certeza que são manguezais extremamente conservados, são manguezais que estão produzindo recurso natural”, aponta Marília.
Cada vez mais estudado, o manguezal é visto hoje como um dos maiores aliados do homem na luta contra os efeitos do aquecimento global. A lama, que filtra a água, soterra toneladas de sedimentos trazidos pelo rio.
“Então nós temos um controlador de efeito estufa. O manguezal tem uma competência de fixar carbono dez vezes superior ao das florestas tropicais. Isso é bastante novo. Isso é muito recente, essa informação”, reforça Yara.
Além de tudo, o mangue ainda é o berçário da vida marinha. O emaranhado de raízes submersas abriga centenas de espécies de animais.
“O baiacu é uma das primeiras espécies de peixe que entram quando a maré enche. O baiacu sem espinho. É um filhote. Está procurando a região justamente para se proteger entre as raízes”, conta Marília.
A pesca costeira depende muito dessa proteção. Na região de Cananéia, a pesca é a principal atividade econômica. Um lugar onde a profissão de pescador ainda passa de pai para filho. Dessas águas, saem 70% de tudo o que é pescado no litoral de São Paulo. De acordo com especialistas, essa grande quantidade de peixes é resultado direto da conservação dos manguezais.
Mas nem sempre foi assim. Uma vez a ostra quase acabou no manguezal. A saída foi  criar uma reserva extrativista e controlar a produção.
O pescador Chico Mandira é o líder de uma comunidade quilombola que vive do mangue há mais de 30 anos. Ele saiu para catar ostras e nós acompanhamos esse trabalho.
Na canoa, Mandira e o filho Luiz contam que eles mesmos vigiam tudo com ajuda de outros pescadores. Ostras, por exemplo, ficam no viveiro para crescer até o tamanho certo para a venda.
“A quantidade de ostra que tinha no mangue já estava assim quase em extinção. Aí a gente criou uma regra dentro da comunidade para que o pessoal respeitasse o tamanho também. Aí isso veio agregar mais ostra”, lembra Chico.
Hoje, Chico recolhe 10 mil dúzias por ano, em média. A produção é vendida por uma cooperativa de pescadores. “Se você cuidar, você vai ter mais. Você vai tirar o seu sustento e vocês vão ter mais. Quanto mais você cuidar, mais você vai ter”, diz ele.
Depois de uma manhã de muito trabalho, em casa, a mesa farta é o resultado do que Chico acabou de falar.
“Hoje vai ter arroz, feijão. Vai ter farofa de ostra, ostra in natura e ostra gratinada. Ostra é o prato principal”, diz a mulher.
Fonte: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/03/manguezais-sao-reconhecidos-como-aliados-contra-o-aquecimento-global.html

Nenhum comentário: