Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

19 de abr de 2013

Assentamento São João do Rosário permanece imune à exploração de granito

Divulgação/MPF-MA

SÃO LUÍS - Foi negado na segunda-feira (15), recurso movido pela empresa Formex (Fornecedora de Materiais Exportação, Importação, Comércio e Representações Ltda) contra sentença que determinou a suspensão de atividades de exploração mineral em área destinada ao projeto de assentamento São João do Rosário, no Maranhão. A liminar, obtida pelo MPF na 1ª instância e mantida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região ainda paralisa atividades danosas à vegetação local e impede a colocação de cercas na área.
A decisão é fruto de ação civil ajuizada pelo Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA). De acordo com a ação, a Formex vinha exercendo a atividade de mineração de forma irregular e com grande potencial de danos ao ecossistema e à saúde dos moradores da área, visto que a extração de minério era realizada com explosivos. No pedido feito à Justiça, o MPF requereu a interdição de qualquer atividade mineratória no local, além da recuperação dos danos causados ao espaço e aos moradores.
Laudo Pericial
Conforme perícia feita in loco por biólogo do MPF, a extração de granito no projeto de assentamento vinha produzindo diversos danos socioambientais, como supressão vegetal, interferência em nascentes e corpos hídrico, poluição sonora, e estava afetando o modo de vida das comunidades vizinhas, principalmente Providência e Cajazal. Também oferecia riscos para a integridade física dos moradores, pois fragmentos de rocha eram lançados durante as explosões. A Secretaria Estadual de Meio Ambiente também visitou a área e verificou as mesmas irregularidades.
Recurso
No recurso enviado ao tribunal, a empresa alegou não ser clandestina a extração mineral realizada na região e afirmou possuir as licenças e autorizações do poder público, além de estar fora do projeto de assentamento. Para o MPF, é possível verificar em mapa elaborado pelo Incra que a Formex realizava a exploração de granito dentro dos limites do projeto de assentamento São João do Rosário.
Em parecer enviado ao TRF1, o Ministério Público alertou que a autorização de uso da área, antes concedida pelo Incra, foi cancelada, após o órgão verificar que a atividade desenvolvida pela empresa é incompatível com as atividades agrícolas desenvolvidas no projeto de assentamento. O parecer também foi contrário ao argumento de que a paralisação das atividades causaria prejuízos econômicos e sociais à empresa. “Deve prevalecer no caso em apreço a proteção ao meio ambiente e à saúde dos moradores do assentamento”, esclareceu o procurador regional da República Renato Brill de Góes.
A 6ª Turma do TRF1, em decisão unânime, manteve a liminar que paralisa as atividades da Fomex no projeto de assentamento, até que o mérito da ação seja julgado.


Nenhum comentário: