Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

23 de abr de 2013

Camponeses do mundo, uní-vos!


Ano após ano, a população camponesa no mundo foi diminuindo. O êxodo rural tornou-se uma realidade palpável no decorrer do século XX, o que levou a uma mudança radical da paisagem  e da agricultura camponesa e tradicional. Em 2007, pela primeira vez na história da humanidade, a maioria da população mundial já vivia em cidades.
O Estado espanhol não foi uma exceção. E a agricultura deixou de ser uma das principais atividades econômicas para ser uma prática quase residual. Se, na década de 70, 25% da população ativa ainda trabalhava na agricultura, hoje este número foi reduzido para 4% e significou uma perda de mais de dois milhões e meio de empregos. Os estabelecimentos agrários estão desaparecendo rapidamente. Entre 1999 e 2009, diminuíram em 23%, de acordo com o Censo Agropecuário 2009 do INE. Em breve teremos que pendurar em nossos campos o cartaz de “fechado por morte”.
A renda agrícola também continua em queda livre. E em 2012 caiu para níveis de 20 anos atrás, de acordo com o sindicato agrário COAG, com o consequente empobrecimento do campesinato. Pobreza e mundo rural andam de mãos dadas. Na Europa, um terço dos pobres está concentrado nas áreas rurais. E a pobreza afeta, em particular, às mulheres. O envelhecimento da população, a falta de oportunidades para os jovens, a emigração, os baixos rendimentos na agricultura e a má infraestrutura são sintomas claros da pobreza no campo, como indica o relatório Pobreza e Exclusão Social em Áreas Rurais da União Europeia em 2008.
Os camponeses desaparecem, mas nossas necessidades alimentares ainda permanecem. Então, quem vai nos dar de comer? Quem produz e distribui a comida? Algumas poucas empresas do agronegócio e da distribuição são as que controlam atualmente toda a cadeia alimentar, desde a origem até o fim. As multinacionais que procuram ganhar dinheiro, e muito, com os alimentos. Dupont, Syngenta, Monsanto, Kraft, Nestlé, Procter & Gamble, Carrefour, Auchan, El Corte Ingles, Mercadona são apenas alguns exemplos. E assim vai.
Nos próximos dias se celebra a Semana de Luta Camponesa para exigir outras políticas agrícolas e alimentares. Um tema-chave: a luta contra os transgênicos. O Estado espanhol é a porta de entrada dos OGM (organismos geneticamente modificados) na Europa, o seu paraíso. Variedades proibidas em outros países, como a França, Grécia, Áustria, Alemanha …, são cultivadas aqui. E outra frente de batalha: a soberania alimentar, que consiste em devolver  a capacidade de decidir, sobre aquilo que se produz e se come, a camponeses e consumidores. Ser soberanos, poder decidir. Palavras proscritas nos tempos atuais.
A Via Campesina, o movimento internacional mais importante de agricultores do Norte e do Sul, os mais atingidos pelo avanço da globalização neoliberal, os sem-terra, pequenos agricultores, mulheres camponesas … o reivindicam desde meados dos anos 90. Seu lema é “Camponeses do mundo: uní-vos”. Precisamos deles.
*Artigo publicado em Público, 19/04/2013.
** Traduzido ao português por Tárzia Medeiros.

Nenhum comentário: