Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

29 de mai de 2013

O Senado italiano aprova por unanimidade proibição de cultivo GM

De: , em 23 de maio de 2013
Rossend Domenech, El Periódico


O Senado italiano aprovou por unanimidade agenda exigindo que os Ministérios da Agricultura, Meio Ambiente e Saúde, a adotar a "cláusula de salvaguarda" sobre transgênicos (OGM). A regra estabelecida em 2001 pela União Europeia (UE), embora debatido, permite que um país membro para proibir tais culturas, embora a legislação comunitária lhes aprovado.

A Itália cultiva em caráter experimental apenas um hectare superprotegida de OGM, em comparação com mais de 100.000 na Espanha, embora seja dificultada a entrada via importação de OGM. Outros países da UE, incluindo a França, têm recorrido à mesma cláusula de salvaguarda, mas tiveram de lidar com recursos para o Tribunal de Estrasburgo.

"Nós não precisamos de produtos transgênicos", rebateu a Confederação Italiana dos Agricultores (CIA), segundo a qual "é essencial para proteger a nossa agricultura diversificada e de qualidade a cláusula de salvaguarda contra os transgênicos". O ministro da Agricultura, Nunzia De Girolamo, acrescentou que "a agricultura italiana precisa apoiar-se em seus aspectos mais fortes e, portanto, as culturas de OGM não pode ser de grande ajuda para o nosso sistema, que se baseia principalmente na qualidade e não a quantidade. "

Mario Capanna, presidente da Fundação de Direitos Genética, que tinha apresentado formalmente a petição, disse que "o voto de todos os partidos será a expressão de toda a sociedade italiana, produtores e consumidores do país."

O texto aprovado obriga o governo " promover a investigação científica e atividades de supervisão e fortalecimento de controle públicos para evitar a contaminação entre culturas GM e não GM, e para verificar a possível presença de sementes geneticamente modificadas não autorizadas."

A questão dos OGM continua a ser uma fonte de intenso debate na Europa, ao contrário dos EUA, adota normas muito mais rígidas. Ainda assim, as variedades geneticamente modificadas autorizadas no espaço europeu são poucos e, à excepção da Espanha, alguns países, como Alemanha e França, tendem a reduzir ou proibir seu cultivo, como aconteceu com um milho na Alemanha, França, Hungria, Grécia, Luxemburgo, Áustria e Bulgária. A República Checa, segundo país europeu depois da Espanha, cresceu menos de mil hectares.



Nenhum comentário: