Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

17 de jul de 2013

Um dia em Bom Jardim: superação de medos e a alegria do reencontro


Chegar a maioria das áreas de assentamento na Região do Munim demanda tempo, trabalho e principalmente vontade. No caso de Bom Jardim no P.A Rio Pirangi (com seus vastos e ricos 31 mil ha) localizado em Morros/MA, requer ainda mais: força, energia e superação dos próprios limites. Superação de medos e angústias e confiança nas suas habilidades como pessoa e profissional.
 
 
        
Pensar a construção de acordos ambientais e territoriais em nível comunitário, como os que tem sido motivados e realizados pela Tijupá em conjunto com as organizações locais dos agricultores/as familiares é considerar também (e sobretudo) nos acúmulos, valores e tradições expressos de geração em geração. Ou seja, o fator determinante, não é somente o cultivo e o local da sua roça, nos agroecossistemas existentes no entorno das comunidades, mas antes de tudo, a lembrança dos antepassados que o sucederam e os ensinaram a trabalhar, a olhar o dia e a noite, saber a hora e a lua adequada para cada cultivo, é andar no caminho e reconhecer os passos de quem por ali esteve, seja gente ou bicho do mato.
        
 

Neste contexto visualizamos o quão importante se faz o diálogo entre as entidades representativas dos trabalhadores, organizações da sociedade civil que atuam na assessoria à agricultura familiar, dos entes governamentais que executam (ou não) a política de reforma agrária, com as pessoas que de fato conhecem as áreas em que vivem. Porém, a regularização fundiária, que, de fato, é o que ocorre por estas bandas do Maranhão - em vez de uma reforma agrária propriamente dita (ou "política de assentamentos", como criticam os movimentos sociais) - tem implicado na criação ou acirramento de conflitos como nunca dantes vistos. 
 
A demarcação de perímetros dos assentamento deveriam necessariamente serem feitas com muita cautela não atropelando os “limites de respeito” pré-existentes (firmados ao longo de muitos anos entre povoados e famílias agricultoras) pois muitas comunidades tem resolvido de forma trágica os seus conflitos, na qual o princípio da vingança "vez por outra", como se diz na região, tem orientado a “solução” de entreveros inter ou intra familiares.
 
Não é difícil observar casos em que a intervenção da Reforma Agrária na sua institucionalidade racionalista e a mão o pesada dos seus servidores e parceiros na implementação dos créditos e "benefícios" desorganizam tudo o que já existia de acúmulo e convivência harmoniosa e respeito mútuo em diversas comunidades rurais. Relações de compadrio e parentesco são esquecidas, cuidados e zelos são vistos agora como pirraça entre pessoas que deixam de lado o dialogo fraterno e assumem posturas que chegam a chocar os ouvidos mas não chegam a calar a boca dos mais experientes e que lutam incessantemente para assegurar segurança alimentar e qualidade de vida a seus familiares, amigos e a comunidade de um modo geral.

 

É com tristeza e pesar que seu Raimundo mostra a devastação que está sendo feita as margens do Rio Buzo que nutre a mãe terra das famílias que praticam a agricultura familiar agroecológica na comunidade do Bom Jardim. Ele tenta entender o que leva uma pessoa “a cometer tal coisa. Um cara desse não vê que isso não é certo? Daqui de onde ele roçou até a beira do rio não dá mais de três metros ? E quando ele tocar fogo como fica? Vai acabar com tudo, nossa água, nosso banho, nossa vida, será que não percebe que também esta acabando é com a comida da casa dele?”.
  
Consequência da disputa de terra devido a um equívoco na demarcação da área que deixou de fora espaços importantes de capoeira que vinham sendo tratadas e cultivada há mais de 20 anos por uma família, que agora está impossibilitada de exercer seu “habitus” que a identifica e marca sua historia...
 
Conflitos gerados e acirrados... por incompetência dos gestores públicos? Insensibilidade ou o quê? O que importa saber é a diferença que poderemos estar fazendo na vida destas pessoas e as novas lutas e conquistas a serem alcançadas no processo educativo pedagógico que esta questão nos remonta.
 
É mais do que terra, do que água e identidade: é a vida brotando e se ajustando a cada instante e necessidade, é o ciclo da lua norteando os costumes, o canto dos pássaros, a batida do veado no mato, sou eu e você, somos nós a cada instante e a todo o momento fazendo a diferença e construindo um diálogo capaz de gestar mudanças e ampliar horizontes.


Nenhum comentário: