Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

10 de out de 2013

Lançamento do Seminário Internacional Carajás 30 Anos

Lançado simultaneamente no PA e MA, o seminário  debate sobre a Vale e seus impactos

Lançado nesta terça-feira, dia 8 de outubro, em Belém e em São Luís, o Seminário Internacional Carajás 30 Anos: resistências e mobilizações frente a projetos de desenvolvimento na Amazônia Oriental, contou, na capital maranhense, com a presença de professores, estudantes, pesquisadores, representantes de movimentos sociais e de comunidades atingidas pela atividade da mineração e demais projetos de desenvolvimento na região e setores da imprensa maranhense. Em São Luís, o lançamento foi feito no Campus da Universidade Federal do Maranhão. No Pará, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, à presença de comunidades atingidas pela Vale, movimentos sociais, entidades de promoção da educação popular e defesa dos direitos humanos e membros da academia.

O seminário Internacional conta com a coordenação da rede Justiça nos Trilhos, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), do Grupo de Estudo Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (UFMA) e da Cáritas Brasileira. Há também o apoio e a parceira de outros grupos de pesquisa das Universidades Federais de Maranhão e Pará, de entidades e movimentos sociais atuantes em nível nacional, da Articulação Internacional dos Atingidos pela Vale. O processo de construção do seminário segue aberto a entidades que se identifiquem com os objetivos do evento e queiram dele tomar parte, segundo falaram seus organizadores durante a apresentação feita na manhã desta terça-feira, 8 de outubro, no auditório do Centro de Ciências Sociais da UFMA, quando do lançamento do Seminário em São Luís.
 
O SEMINÁRIO

Durante a apresentação, Marluze Pastor, uma das coordenadoras do Seminário, falou sobre algumas das razões que levaram a tantas entidades, organizações, comunidades e movimentos sociais a pensarem num evento que reflita sobre os projetos de desenvolvimento originados a partir da implantação, há quase trinta anos, do Programa Grande Carajás (PGC). Entre esses elementos, o fato de a extração de minério na região Amazônica, nesse tempo, ter quadruplicado desde sua capacidade inicialmente prevista. Isso, conforme ficou claro durante as falas, traz impactos que precisam ser dimensionados, pensados, e que influenciam tanto no equilíbrio ambiental de uma das regiões de maior biodiversidade do planeta quanto nas comunidades impactadas por esse tipo de atividade e as demais a ela agregadas. 

Ela ressalta que uma das discussões que vêm sendo feitas em São Luís – acerca da criação de uma reserva extrativista que contribua para a preservação ambiental e proteja comunidades tradicionais na Ilha do Maranhão – não é uma discussão nova, mas que se dá no âmbito do Programa Grande Carajás: essa estratégia de defesa começa a ser pensada em relação ao PGC: “Essa discussão não é de hoje. Ela começa com a denúncia dos impactos sociais do Programa Grande Carajás”, afirmou.

“Coalizão de Saberes” 
 
Horácio Antunes, professor da UFMA e coordenador do Seminário, falou sobre a “perspectiva não exclusivamente acadêmica” do evento. Ele classificou o Seminário como uma “profunda coalizão de conhecimentos”, e que este se pauta numa “relação não somente de respeito, mas de consideração de outros conhecimentos, tão válidos quanto os produzidos na Academia”. Segundo ele, o Seminário visa a produzir um intercâmbio “proveitoso e fraterno desses conhecimentos”, e chamou atenção para o fato de que desde a formulação da proposta do Seminário estão presentes a academia, os movimentos sociais e as comunidades e grupos sociais atingidos pelos projetos de desenvolvimento na região.

Foi ressaltada ainda a importância que tomou o Seminário Internacional, o que é representado pelo lançamento simultâneo em São Luís e em Belém, atentando-se para a “pluralidade do processo de organização”, com várias entidades na organização, na promoção, no apoio e parceria com o evento. “A gente conta sempre com novas adesões e participantes. Já estão confirmadas as presenças de representantes de atingidos pela atividade da mineração, por parte da mesma empresa que atua na Amazônia Oriental, em pelo menos oito países, das Américas do Norte e do Sul, e também da África”, anunciou Antunes.

Seminários Preparatórios: o primeiro acontece este mês em Imperatriz
Os organizadores divulgaram que “O Seminário Internacional ‘Carajás 30 anos: resistências e mobilizações frente a projetos de desenvolvimento na Amazônia oriental’ é um processo amplo, que contará com seminários preparatórios em Imperatriz, de 16 a 18 de outubro de 2013; Marabá (14-16 de março de 2014), Santa Inês (21 e 22 de março de 2014) e Belém (3-5 de abril de 2014).
As etapas preparatórias culminarão com a realização do Seminário Final em São Luís, a ser realizado na Universidade Federal do Maranhão de 05 a 09 de maio de 2014”.

Para Imperatriz, está prevista a ida de caravanas de São Luís e Belém, além da participação de várias cidades da região.
Ao Seminário Final, em São Luís no ano que vem, devem comparecer acadêmicos, comunitários e movimentos sociais. Estão previstos dezessete grupos de trabalho, vinte mesas redondas e a realização de reuniões plenárias, com encaminhamentos que garantam novos estudos e processos de mobilização.
Estão previstas ainda atividades como feiras e exposições de experiências dos grupos sociais envolvidos, vídeos, exposições fotográficas e de artes plásticas e atividades artístico-culturais. Para o padre Dario (Justiça nos Trilhos), essa composição plural garante que o “seminário pertence a todos nós”.

A IMPRENSA – OU A FALTA DELA
Apesar de toda essa mobilização de atores dos mais variados em torno de um evento cuja importância pode ser, como já dito, representada pelo fato de ter seu lançamento feito, de modo simultâneo, em duas capitais, a “grande imprensa” do Maranhão não compareceu, mesmo se convidada e aguardada durante o lançamento. Antes, o seminário foi alvo de entrevistas na Rádio Universidade FM, na Rádio Educadora e TV Cidade/Record. Além de blogues e do Jornal Vias de Fato, que apoia e participa da iniciativa, o lançamento em São Luís contou com a cobertura da TV Assembleia.
A própria Assessoria da Universidade Federal (que tem vários eventos apoiados pela Vale, empresa cujas atividades serão objeto de reflexão do Seminário) não esteve no lançamento. Ficaram de fora ainda Mirante/Globo (pertencente ao grupo Sarney), Difusora/SBT (grupo Lobão), entre outras mídias atreladas a correligionários ou mantidas por publicidade oficial e/ou de grandes empresas que atuam na região.
A ausência foi sentida por Ricarte Almeida Santos (Cáritas Maranhão): “Lamentável que um seminário internacional, pensado para debater um dos mais importantes projetos de desenvolvimento do país, não seja suficiente para mobilizar a imprensa do Maranhão, ainda que apenas para ouvir, ou para fazer o contraponto. Como essa ausência grita!”, exclamou.
A ausência da imprensa pode ser encarada como uma primeira tentativa de inviabilização de um evento que questione uma das bases em que está assentada a ideia de desenvolvimento do Maranhão, um discurso com o qual poucos lucram (entre estes a própria imprensa e seus donos), e uma prática que afeta a muitos. E mais: ela joga sérios questionamentos sobre o papel social que os órgãos de comunicação têm a obrigação de exercer – o de levar informação à sociedade. Além disso, joga por terra a ideia, cada vez menos comungada, felizmente, de neutralidade do discurso midiático, mostrando que esta tem sim, lado (o que já pode ser deduzido também apenas em ver quem são os barões da mídia, no Maranhão e pelo Brasil a fora), além de não ser difícil de vislumbrar, nessa ausência, receio de cumprir com seu papel, e uma auto e prévia censura por parte dos meios de comunicação, num acanhamento em levar aquilo que deveria levar, que é a informação, num temor de dar visibilidade a quem seus senhores não querem que sejam vistos.
Esse tipo de atitude covarde joga sérios questionamentos sobre o papel desses meios de comunicação, sobre a atuação deles, e sobre sua legitimidade, além de revelar a fraude com a qual esses veículos operam: prometem entregar um produto, que é a notícia, ao tempo em que a sonegam, de acordo com os interesses que defendem ou com os quais estão comprometidos.
MOMENTO HISTÓRICO
Jonas, coordenador do MST, lembrou que o lançamento “coincide com muitas coisas acontecendo no país”: ocupação quilombola em São Luís, manifestação dos sem-teto em Imperatriz, além de as grandes mobilizações, na véspera, puxadas por professores, no Rio de Janeiro, em São Paulo, e em outras cidades. “O lançamento em outubro tem um caráter simbólico muito grande de resistência e de luta”, disse.
Padre Dário ressaltou que o lançamento do seminário nesse mês de outubro coincide com uma pauta nacional extremamente importante: a votação do novo Marco Legal da Mineração. Nesse caso também, segundo ele, “a sociedade civil tem sido excluída do debate, apesar das grandes empresas terem interagido por quatro anos junto ao Governo na redação da nova proposta de lei”. Debater nos territórios atingidos as consequências da mineração é um dos instrumentos para empoderar as comunidades e consolidar suas exigências e direitos na definição do futuro da mineração no País.
Está, então, lançado o grande desafio para as populações atingidas, para os pesquisadores, movimentos sociais e demais entidades que aceitarem refletir sobre o assunto de maneira crítica.

Fonte: Justiça nos Trilhos (http://www.justicanostrilhos.org) a partir de uma matéria de Claudio Castro, jornalista - 08 de outubro de 2013

Nenhum comentário: