Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

15 de set de 2014

Memórias de Mulheres e agroecologia - Rosário/MA

Nas terras de areia uma entre tantas Marias semeia saberes a quase um século.
Regilma de Santana *

Essa velha aqui tem sangue de negro, tem sangue de caboco,
de índio... E tem disposição”.

Foto I: Feira Agroecológica de Rosário – D. Roxa
(foto: Regilma de Santana – A.A Tijupá)
Como disse o poeta, compositor maranhense João do Vale “a ciência da abelha, da aranha e a minha, muita gente desconhece”, o poeta como sábio que é percebe que nessas terras de areia existe muito a ser contado, recontado e descoberto. Assim, ouvindo ao poeta e convivendo com elas, as “Marias” é que nos propomos como instrumento para contar, escrever suas memórias, para que muitos possam conhecer e reconhecer essas valorosas mulheres das bandas de cá.

A protagonista dessa história é Maria Almerinda Veloso, 93 anos (nascida em 21 de março de 1921), no povoado de Santa Izabel município de Pres. Juscelino, na região Munin - MA. A região do Munin está localizada ao norte do estado do Maranhão, próximo a Capital São Luiz (cerca de 200 km). Esta mulher carrega muitas mulheres em uma só. Negra de corpo franzino, traços fortes, mãos e pés grossos, pequena em estatura, gigante em sabedoria e estórias. Tem vigor e disposição para vida que atribui à vontade de viver e fazer sempre mais coisas, não se cansa, não se entrega. Filha de gente humilde, negros do norte do Maranhão - as terras de areia. Ainda criança veio para o povoado Pai João uma comunidade onde viviam lavradores e pescadores, essa comunidade tradicional há dez anos tornou-se Projeto de Assentamento São João do Rosário, localizado no município de Rosário. O P.A São João do Rosário é separado em três comunidades, ao todo são um pouco mais de 200familias de trabalhadoras e trabalhadores rurais. D. Roxa, Veio pra cá com a família em busca de terra pra plantar e de bom pescado pra alimentar a todos, “ah eu não lembro o ano que a gente veio pra cá... me criei aqui, casei duas vezes e hoje tô só eu e meus filhos” “dantes, todo mundo era lavrador e pescador, não tinha divisão”. Mãe de 12 filhos, avó de 24 netos e bisavó de 13 bisnetos. Uma das coisas que mais orgulha D. Roxa é o fato de ter sido parteira. Na comunidade é comum ouvir os pedido de benção à madrinha Roxa. Como parteira ela carrega as rezas, os dizeres, as preces e as técnicas desenvolvidas a partir da prática “... também fui parteira deste os 15 anos já peguei mais de 100 crianças, pra tudo tem que ter ciência, mais tem que gostar de fazer também”.

Pescadora artesanal, lavradora, parteira, quebradeira de coco babaçu como a maioria das mulheres dessa região. Dona Roxa como é carinhosamente conhecida nas redondezas, é síntese da mulher maranhense, campesina, trabalhadora rural, guardiã dos saberes e da cultura daquela gente. Talvez a chamam de Roxa por sua pele morena quão cor de jabuticaba madura, pele que ela faz questão de assumir “eu sou negra, tá vendo minha filha”. D. Roxa não sabe escrever bem como ela mesma diz, mal aprendeu assinar o nome, nunca teve a oportunidade de aprender a ler e escrever, pois logo cedo teve de trabalhar “Meu primeiro trabalho foi na pescaria, pescando de curral, de anzol, fazendo rede de fio de náilon... depois vim trabalhar de roça, sou fazendeira de remédio caseiro, já levantei muita gente doente. Trabalharei quebrando coco babaçu, depois aprendi a trabalhar com andiroba (fazia azeite), hoje sou trabalhadora com hortas, a gente da roça sabe fazer de quase tudo, mas escrever mesmo eu não sei”.

Para Maria Roxa, a roça é um lugar de viver e fazer cultura, não apenas o plantio por si só. Diz-se roça o lugar onde a trabalhadora e o trabalhador rural vive, constrói cultura, saberes, valores. E de Cultura popular ela entende bem, hoje coordena o bumba meu boi de São João do Rosário e lembra “Aqui dante tinha tambor de crioula, brincadeira de salão, o povo saia brincando e tocando matraca. Fiz quadrilha... eu trabalho com bumba meu boi a mais ou menos uns 20 anos”. Na comunidade as mulheres organizam a festa junina, o festival da Jussara, fazem parte da diretoria da associação, organizam a igreja, os festejos, as rezas, os cultos... E D. Roxa é a mãe de todos. Aquela dentre outras que dá conselhos e que é ouvida nas tomadas de decisões.

A produção agroecológica como modo de vida de D. Roxa...

Mesmo sem saber que era agroecologia a gente já fazia, era o nosso jeito de viver na roça, não tinha isso de vender, era plantar pra comer, e dar par os vizinhos, trocar, era assim”. D. Roxa trabalhou com apicultura juntamente com outras mulheres da comunidade “faz um ano que eu não trabalho mais, por que não tenho mais força, mais se as meninas for eu ainda vou, eu acho que posso ensinar o pouco que eu aprendi”, sustentou a família sozinha com o resultado do trabalho na roça. “Eu aprendi muito trabalhando com esse serviço, foi um prazer pra mim eu vim me levantar e conseguir dinheiro depois que eu comecei a trabalhar com hortas... Nunca trabalhei usando veneno, por que nunca foi preciso porque eu capinava mês de março e abril e o mato era arrancado por nossa mão, não era botado veneno. De “chacho”, quando terminava de capinar uma roça já tava comendo o milho da outra... era assim...”. É do quintal que ela tira maior parte dos produtos que consome e comercializa, “tem banana, acerola, abacate, limão, macaxeira, o que não dá pra plantar aqui, ai planto na roça com a ajuda dos filhos e pagando serviço, aqui a gente faz puxirão (uma forma de mutirão comunitário para ajudar nas roças).”.

Experiente, D. Roxa conta que com remédio caseiro trabalhou por muito tempo, e aprendeu com o mato mesmo “ainda hoje vem gente aqui atrás de remédio... ah tem lambedor de casca de jatobá pra quebradura de osso, tem sumo de algodão, mastruz com ovo de galinha da terra, burdão de velho, pau d´arco, leite de mapá, janaúba, jatobá, azeite de carrapato, alfazema, fumo... ah tem muito remédio que o mato oferece, a gente é que não sabe usar... eu só não faço é benzer, isso eu não aprendi... tem muito médico de butiquim, eu sou médica do mato, e agora tem pouco médico do mato por aqui”.

D. Roxa, hoje trabalha com horta produzindo alface, couve, cheiro verde, pimentinha, maxixe, quiabo, tem uma pequena criação de galinha também no quintal. Orgulha-se ao mostrar os canteiros no quintal e faz plano. Conta também que para viver da e na roça tem que perceber e conhecer a natureza, e principalmente as fases da lua “pra tudo, pra plantar, colher, pescar, tirar remédio do mato, tem que saber a lua certa”.

A comercialização dos produtos agroecológicos...

Comercializo na comunidade e faço a doação, mais também tem a feira Agroecológica e as entregas para o Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE”.

A Feira agroecológica de Rosário é uma inciativa dos agricultores e agricultoras familiares de Rosário em parceria com a Associação Agroecológica Tijupá, já em funcionamento a mais de um ano. Ali participam cerca de 30 a 32 agricultores e agricultoras de 12 comunidades, sendo a maioria (95%) mulheres, que comercializam o fruto de seu trabalho na agricultura familiar de forma solidária, dentre essas mulheres guerreiras, D. Roxa tem se destacado “eu levo o que eu planto e o dinheiro da venda me ajuda a comprar o que eu não tenho e pagar as contas... Levo de tudo um pouco”.
Principais produtos comercializados Legumes e verduras: cheiro verde, macaxeira, abobora maxixe, quiabo, pimenta de cheiro, pimenta malagueta (in natura e molho), alface, couve, rúcula, pimentão, pepino, vinagreira. Produtos do agroextrativismo: azeite de andiroba, azeite de babaçu, leite de mapá, tucupi, corante de urucum. Frutas: limão, maracujá, mamão, manga, banana, caju, bacuri, buriti, cana de açúcar, cajá, coco, murici, melão, melancia. Polpa de frutas: acerola, bacuri, cajá, cupuaçu, goiaba, buriti, manga, murici. Aves vivas: galinha caipira, pato. Comida caseira pronta: arroz, galinha caipira no leite de babaçu, bolo de tapioca, bolo de macaxeira, café pronto, leite, bolo de massa puba na palha de banana. Artesanato. Outros: ervas medicinais, xaropes, mel, milho verde, feijão verde, farinha seca e farinha de puba, massa puba, arroz torrado, plantas ornamentais, sabão de andiroba.
A Feira também é um espaço de troca de saberes e experiências. “quando eles veem comprar aqui na nossa feira, eles acabam conhecendo coisas que não sabiam e nós também vamos aprendendo, por exemplo: a gente traz ervas, cascas pra vender, e temos que ensinar como preparar, como tomar” e continua “a feira é bem organizada, a gente faz reunião antes de ir, discute o preço dos produtos, faz reunião lá no final da feira, tem um fundo, um dinheirinho que a gente deixa com a comissão para comprar barraca, mesa, essas coisas para o grupo”“ mais também não é fácil, não. Nós não temos local certo, nem transporte, faltam barracas, mais mesas, bancos. A gente sai de casa bem cedo pra poder pegar um lugar pra montar as barracas, o pessoal da Tijupá é quem ajuda nessa parte, mais vamos começar a cobrar da prefeitura algumas coisas” diz D. Roxa entusiasmada e com ar de preocupação ao falar da Feira Agroecológica.
O Mercado Institucional como são chamados às políticas de comercialização para a agricultura familiar, principalmente PAA e o PNAE, se configuram hoje como instrumentos em disputa na região, pois assim como na maioria do território nacional a burocracia para acessar e a falta de informação sobre o funcionamento, legislação e, sobretudo a falta de assessoria técnica social e produtiva dificultam o acesso e ou desmotivam a continuação. No município de Rosário o PNAE está em seu segundo ano de execução, no ano de 2013 foram em média 65 fornecedores no total, no ano de 2014 esse número triplicou. D. Roxa e o grupo de mulheres de São João do Rosário são exemplos de que para PNAE se efetivar, carece ser desburocratizado, assumido pelo poder público e monitoramento pela sociedade civil. Esse monitoramento em partes tem sido feito pelas mulheres do P.A São João do Rosário e de outros três Projetos de Assentamento na região.

Nunca usei veneno no plantio, por que não precisa, a terra dá tudo que a planta precisa”.

Outras Marias das terras de areia...

As memórias de D. Roxa são memórias das mulheres que lutam cotidianamente para conquistar espaços, seja de produção, comercialização e organização sociais. Quando jovem provavelmente não imaginava que defenderia conceitos para ela complexos como agroecologia, políticas públicas, e recusaria a outros como agrotóxicos, monocultura, mas desde muito jovem sabia de que lado estava, e que não estava ali por escolha, mas por uma condição social imposta “ninguém quer ser pobre, todo mundo quer viver bem, mais não depende do nosso querer”.
Olhando a história escrita aqui, nos parece comum que haja muitas Marias nesse Brasil adentro, mas o que nos provoca há contar um pouco sobre Maria Roxa é o fato de, aos 93anos continuar firme na luta pela efetivação de políticas públicas para as mulheres do campo, e em defesa da agroecologia como modo de vida. Os quase um século de vida de Maria Roxa não podem ser contatos em poucas páginas, mais merecem ser registrados juntamente com a história de tantas outras mulheres, Margaridas dos sertões, dos cerrados, dos cocais, dos mangues, dos lençóis do Maranhão.

Flaviana Silva Boa Vida, 60 anos, nascida em 05 outubro de 1953, no povoado Santa Rosa município de Axixá - MA. Mãe de 11 filhos, avó de 17 netos. Mudou-se para o povoado Pai João em 1983, onde hoje é o P.A São João do Rosário. Flavica como gosta de ser chamada, é filha de pescadores, lavradores, uma entre tantas outras Marias do Maranhão “Criei meus filhos já morando aqui, e foi aqui que eu e a Roxa nos conhecemos”, “A primeira atividade da gente, umas 20 mulheres foi à produção de mel, sem recuso sem nada, ganhamos material... a gente trabalhava sem ajuda de técnico e ia perdendo por que não sabia como fazer, depois foi que começamos a aprender e melhorar vendemos bastante mel. Depois começamos a trabalhar com horta”, “hoje nós fazemos parte do grupo de mulheres que fornece pro PNAE, e temos a feira agroecológica também, isso é importante, porque antes a produção se perdia.” “a minha história aqui no assentamento é igual à de Maria Roxa, a gente corre junto pra conseguir as coisas, agora nossas filhas tão junto no grupo de mulheres que é a filha da Roxa, a Lucinha e a minha filha a Maria José, elas é que vão continuar essa luta por nós”, “outra luta nossa aqui no Assentamento é a luta pelas melhorias na comunidade, formamos comissão vamos ao INCRA, na prefeitura onde for preciso pra reivindicar melhorias nas estradas, segurança e saúde”.
Para essas mulheres lutadoras o desafio comum hoje é organizar melhor as mulheres para a produção e comercialização, nas entrevistas foi comum ouvir que “avançamos e melhoramos muito, mais precisamos sempre ir além, melhorar, cobrar mais. Para isso é preciso organização.
         Foto: Flaviana S. Boavida (foto de Regilma de Santana) 
D. Roxa, D. Flavica, assim como para D. Mucuruna, Lucinha, Luzia, Anas, Dagmar, Lucidalva, Domingas, Alice, Lourdes, Magnólia, Marias, fazem parte da história do fazer agroecológico no Maranhão. Elas se encontram quando sistematizamos informações sobre as lutas, história, conquistas e desafios da vida do campo e da vida das trabalhadoras e dos trabalhadores rurais, são nomes desconhecidos e histórias comuns, elas se identificam nas histórias dos sujeitos sociais coletivos no campo, nas cidades. A elas e a tantas outras, nosso reconhecimento em vida pelas lutas e resistências enfrentadas cotidianamente, e nosso agradecimento pelos ensinamentos que possibilitarão a novas Marias ir além em nossas lutas de militante feminista.

foi um prazer conversar sobre minha vida com vocês”
D. Roxa
estamos na luta, enquanto tivermos força vamos fazendo e convocando mais gente”

D. Flavica

* Regilma de Santana é Bacharel em Administração e compõe a equipe técnica da Tijupá

Nenhum comentário: