Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

3 de out de 2014

Camponeses defendem que Governo deve legislar para proteção sementes locais


Por André Mulungo - Canalmoz

Desde ontem, esta acontecendo em em Maputo a III Conferência Internacional Camponesa Sobre a terra, organizada pela União Nacional de Camponeses. Durante o dia de ontem vários assuntos foram abordados, com particular destaque para a questão da valorização da semente nacional. Numa altura em que há uma tendência clara de uso das chamadas semente híbridas, os camponeses apelam ao Governo para que crie uma legislação que proteja as sementes locais.


O Governo deve criar uma legislação e políticas que visem incentivar que os camponeses continuem a produzir, conservar e fazer a seleção de sementes locais”, defende Agostinho Bento da União Nacional dos Camponeses (UNAC).

O uso no País de sementes híbridas, segundo Agostinho Bento, para além de desincentivar o uso das sementes locais que na sua opinião “ são melhores em qualidade”, entende que elas [as sementes híbridas] “são adaptáveis para algumas condições que não são aquelas em que o camponês moçambicano trabalha”. Bento prossegue explicando que: “As sementes híbridas são adaptáveis às regiões agroecológicas”. São sementes que na opinião da nossa fonte “precisam de muita água e produtos tóxicos”. O camponês moçambicano avança Bento não está capacitado para “adquirir esses produtos tóxicos e moto bombas para que possa implementar uma agricultura de irrigação”.

As sementes modificadas e os riscos para a saúde

Num outro desenvolvimento, o nosso interlocutor, falou dos perigos que representam as sementes geneticamente modificadas para a saúde do camponês e da própria terra. “A entrada no País de organismos geneticamente modificados que vão dar origem a sementes geneticamente modificadas, constituem um perigo, não só para os camponeses, mas também para a saúde das pessoas, no geral e para a biodiversidade”, disse e a seguir justifica: “porque elas são produzidas com o objectivo de combater os insetos (pragas). Mas uma vez os insetos percebendo que há um veneno, esse mesmo inseto vai criar resistência ao veneno”, o que “cria desequilíbrios, pois passaremos a ter insetos mais perigosos para fazer face ao remédio, e estamos assim desequilibrando a natureza”. Segundo Bento os cientistas dizem que “essas sementes podem, a longo prazo, constituir um problema de saúde”. “Não posso avançar com precisão mas há indicação de que venham provocar irritação ao no corpo até cancros”, acrescentou.

Bento pede para que o Governo “não se deixe levar pela pressão das empresas estrangeiras de impor condições para investimentos no País”. Os trabalhos da conferência prosseguem. Hoje (ultimo dia) serão abordados os seguintes pontos: Direitos sobre a Terra e Recursos Naturais e Experiências Internacionais de Reformas Agrárias Vs Lutas Sociais contra Projetos Hegemônicos.



Nenhum comentário: