Bem vindo ao Cá Prá Nós!

É com prazer que apresentamos o Cá Prá Nós, uma iniciativa de divulgação das ações da TIJUPÁ e das principais notícias e articulações dos campos da Agroecologia, Economia Solidária, Reforma Agrária, Segurança Alimentar, entre outros temas. O Cá Prá Nós é uma versão on line do informativo impresso da TIJUPÁ que circulou no início dos anos 90.
Esperamos que gostem!
Equipe da TIJUPÁ

24 de dez de 2014

A milicia da WPR contra a comunidade do Cajueiro

A Suzano Papel e Celulose jura de pés juntos e por tudo que é mais sagrado que não tem nenhuma relação com as atividades da empresa WPR que ameaça de expulsão a comunidade de Cajueiro, zona rural de São Luis. Deve-se levar em consideração a versão da Suzano, afinal ela pode exercer seu direito de dizer o que quiser. 
O negócio é saber se o que ela conta provem da verdade ou não. Isso talvez nem importe muito porque o que conta mesmo é a versão. Segundo a Suzano Papel e Celulose, ela abandonou o seu projeto de construção de um porto na comunidade de Cajueiro em 2010. Quase uma eternidade não é? 
Só que a ex-governadora Roseana Sarney assinou um decreto de desapropriação da área do Cajueiro no ano de 2011 em beneficio somente da Suzano Papel e Celulose e não esquecendo que a empresa financiou a campanha de Roseana Sarney em 2010. Isso caracteriza crime de responsabilidade. 

Outros fatos. 

O BNDES assinou um contrato com a empresa no qual está previsto a construção de um porto para exportação de celulose. Provavelmente, a WPR é simplesmente uma milicia criada para amedrontar a comunidade e agir impunemente em favor da Suzano Papel e Celulose e da Petrobrás. 

Mayron Régis

Um comentário:

Erinaldo Nunes da Silva (Socó) disse...

Mais uma vez, o poder que deixa de ser público a partir da negação de exista conflitos e problemas com famílias tradicionais na área rural de São Luis. o descaso do governo do estado e do municípios, até quando iremos presenciar essas injustiças. Todo apoio à comunidade de Cajueiro. A Suzano é um câncer que já devastou o Leste aranhense e agora querem acabar com comunidades tradicionais em São Luis na construção de seu próprio porto.